O testemunho de Sondland serviria para apurar que papel ele desempenhou na tentativa de convencer a Ucrânia a investigar o rival político de Trump, o antigo vice-presidente e candidato democrata Joe Biden.

Entretanto, à última da hora o Departamento de Estado ordenou ao embaixador que não se apresente à Câmara dos Deputados.

Gordon Sondland, que doou 1 milhão de dólares ao comissão de posse do Presidente republicano, deverá ser interrogado sobre o seu papel na tentativa de Trump de levar Ucrânia a investigar Trump em troca da ajuda americana, quando ele não tinha jurisdição sobre Kiev.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.