O Ministério dos Assuntos Religiosos “decidiu suspender todas as atividades coletivas durante o Ramadão, dado que anteriormente proibiu a colocação de mesas na proximidade das mesquitas”, indicou em comunicado a autoridade encarregada dos lugares de culto muçulmanos.

As mesquitas manter-se-ão encerradas no Ramadão a não ser que deixem de registar-se novos casos e o Ministério da Saúde decida que as concentrações já não constituem um perigo para a propagação do vírus e que se pode voltar à normalidade, adianta.

Além de proibir qualquer evento coletivo de quebra do jejum nas instalações que controla, o ministério da Saúde contactou o ministério do Interior e as autoridades da capital para discutir o cancelamento do fórum anual do Pensamento Islâmico no Cairo.

Segundo os últimos dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde, o Egito contabiliza 1.173 casos de infeção e 78 mortos, uma das taxas mais altas da região, atrás da do Qatar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Entre outras medidas para conter a pandemia, as autoridades egípcias suspenderam os voos internacionais até meados de abril e impuseram um recolher obrigatório, além de suspenderem as orações muçulmanas das sextas-feiras e as missas de domingo.

Durante o Ramadão, mês — nono do calendário islâmico e que se inicia com a aparição da lua, não começando por isso no mesmo dia em todos os lugares – que assinala a revelação do Alcorão ao profeta Maomé por Alá, milhões de muçulmanos em todo o mundo jejuam desde o nascer do sol até ao anoitecer.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.