Armando Guebuza recebeu várias mensagens de Boustani onde era apelidado de “papá”, com comentários sobre as empresas envolvidas no escândalo das dívidas ocultas e sobre trabalhos com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

A agente especial do Departamento Federal de Investigações (FBI) dos EUA Fatima Haque disse na quarta-feira, num tribunal de Nova Iorque, que Jean Boustani, cidadão libanês e negociador da empresa Privinvest, escrevia a um número guardado sob o nome “AG” e que os investigadores norte-americanos identificaram como Armando Guebuza, Presidente de Moçambique entre 2005 e 2015.

Apresentando uma tabela com mensagens enviadas por Jean Boustani a números guardados na lista de contactos como António do Rosário 2, Makram Abboud, Iskandar Safa e AG, a agente especial do FBI que foi chamada para testemunhar no julgamento, constatou que quatro mensagens foram dirigidas a Armando Guebuza.

Segundo as intercepções do FBI, no documento obtido hoje pela Lusa, três dessas mensagens de Jean Boustani para Armando Guebuza começavam por “Papá” e continham informações relativas ao FMI ou à emissão de ‘eurobonds’ por Moçambique em 2016.

Uma dessas mensagens de Jean Boustani para o número de Armando Guebuza foi enviada no dia 28 de Março de 2016 e lia-se “Papá. Para informação. Fui bem sucedido em refinanciar todos os projectos e em emitir um 'eurobond' internacional para Moçambique de muito sucesso. Portanto tudo está bem”.

A mensagem referia-se à troca de títulos no empréstimo da Ematum (chamados 'loan participation notes' ou LPN) por títulos de dívida soberana, os 'eurobonds'.

O mesmo texto terminava com a frase “Sempre a servir o país como desejaste e instruíste. Abraço”.

A segunda mensagem para “AG” apresentada no documento da agente especial Fatima Haque foi a 20 de Abril de 2016 e incluiu informações sobre o encontro da delegação do FMI com António Carlos do Rosário, antigo director do Serviço de Informações e Seguraça do Estado e Isaltina Lucas, antiga vice-ministra das Finanças de Moçambique.

“Ontem o chefe do FMI encontrou-se com António Carlos do Rosário e Isaltina Lucas. Correu muito bem. Em breve, uma declaração será publicada para esclarecer os factos e expor a verdade”, lê-se na mensagem de texto de 20 de Abril de 2016, que posteriormente foi encaminhada do número de Boustani para um número que o FBI encontrou ser de António Rosário.

O texto, citado pelo FBI, indicava também o nome de Luísa Diogo, primeira-ministra de Moçambique entre 2004 e 2010 e antiga ministra do Plano e Finanças.

“Para info”, escreveu Boustani, “Luísa Diogo também está lá. Mesmo sem ser parte da delegação oficial!!”

A mensagem de Boustani começava por “Boa tarde Papá” e terminava com “Estou a fazer tudo o que posso, como sempre, pelos interesses de Moçambique. Como sempre instruíste”.

No mesmo dia, 20 de Abril de 2016, o número que alegadamente pertencia a Armando Guebuza respondeu com “Óptimo meu filho. Abraço”.

Jean Boustani escreveu um pedido ao número que a agente especial do FBI atribuiu a António Carlos do Rosário, a 21 de Abril de 2016: “MMMMM. Por favor faz a declaração conjunta com o FMI hoje. Todos os bancos e o planeta estão à espera disso!! MMMMM”.

Ainda a 23 de Abril de 2016, Jean Boustani enviou uma mensagem para o número de “AG” que começava com “Bom dia Papá” e incluía um ‘link’ para um artigo do Jornal de Angola, em português.

Até agora, os procuradores dos Estados Unidos argumentaram que o esquema de subornos e a conspiração de fraude económica no país começou com Jean Boustani, da empresa Privinvest, e chegou ao antigo Presidente Armando Guebuza por intermédio do filho, Ndambi Guebuza e de Teófilo Nhangumele, com documentos assinados pelo antigo ministro das Finanças de Moçambique, Manuel Chang.

Ndambi Guebuza e Teófilo Nhangumele encontram-se detidos desde Fevereiro. Manuel Chang está deito na África do Sul e enfrenta pedidos de extradição para ser julgado em Moçambique e nos Estados Unidos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.