Transportadores moçambicanos queixaram-se esta sexta-feira (24.07) de avultados prejuízos nas receitas devido às limitações no número de passageiros impostas pelo estado de emergência face à Covid-19.

"A redução [dos passageiros] é na ordem de 35 a 40%, mesma percentagem se verifica na receita final, não há rendimento", disse à agência de notícias Lusa Castigo Nhamane, presidente da FEMATRO.

O decreto que aprova o estado de emergência, em vigor desde 1 de abril no país, impõe limitações no número de passageiros para evitar a propagação da doença, obrigando aos transportadores a respeitarem rigorosamente a lotação dos furgões e autocarros, o que não acontecia.

"Mas porque se trata de saúde pública, temos de continuar a trabalhar empenhados nas medidas de prevenção para que a pandemia não se alastre", disse Castigo Nhamane.

"Injustiça"

Na segunda-feira, transportadores da província de Maputo paralisaram as atividades alegando "injustiça" na medida que limita o número de passageiros, principalmente para os furgões, que devem levar atualmente 15 passageiros por viagem.

"Os motoristas queriam continuar a carregar normalmente", disse à Lusa José Massango, presidente da União dos Transportadores de Maputo (Utramap).

O presidente do conselho autárquico da Matola reuniu com as associações, tendo pedido compreensão. "Não prejudiquemos o munícipe que quer ser transportado. Já estamos com a situação difícil ao sair de casa e não ter como voltar. Por favor, pensem nisso", disse Calisto Cossa às associações, que mais tarde puseram fim a manifestação.

O Conselho Autárquico da Matola absteve-se de cobrar uma taxa anual de cerca de quinhentos meticais (6 euros)como forma de minimizar o impacto das medidas de restrição para os transportadores.

De acordo com os dados divulgados na sexta-feira (24.07), Moçambique conta com um total de 1.590 casos de Covid-19, 11 óbitos e 532 recuperados, segundo as últimas atualizações.

por:content_author: Agência Lusa, tms

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.