Os cidadãos norte-americanos retirados do navio Diamond Princess embarcaram em dois voos ‘charter’, que partiram às 07:05 (23:05 de domingo em Lisboa) do aeroporto de Haneda, em Tóquio, para onde foram levados em autocarros das Forças de Autodefesa japonesa, de acordo com meios de comunicação japoneses citados pela agência noticiosa EFE.

A embaixada dos Estados Unidos no Japão agradeceu ao Governo de Tóquio e às tropas japonesas a “colaboração e compromisso na proteção do bem-estar dos cidadãos norte-americanos”.

Na chegada a bases militares em território norte-americano, os retirados do Diamond Princess vão ficar numa nova quarentena para evitar a propagação do Covid-19, pneumonia causad pelo novo coronavírus que afetou, até agora, 355 pessoas das cerca de 3.700, entre passageiros e tripulantes, a bordo do Diamond Princess.

O navio ficou sob quarentena, no porto de Yokohama, a sul de Tóquio, em 03 de fevereiro, depois de ser conhecido que um residente de Hong Kong e passageiro do cruzeiro estava infetado.

As autoridades japonesas decidiram manter o navio isolado até à próxima quarta-feira, como medida preventiva, embora na passada semana tenham autorizado a saída de passageiros idosos e com complicações de saúde, desde que os resultados das análises ao Covid-19 fossem negativos.

Aqueles passageiros encontram-se em instalações públicas na prefeitura de Saitama, a norte da capital nipónica, onde terão que observar a quarentena definida.

Os infetados com o coronavírus detetados a bordo, até aqui 355 pessoas, foram internados em centros médicos, à medida que foram conhecidos os resultados das análises.

Outros países e regiões como Austrália, Canadá, Hong Kong, Itália, Israel e Taiwan estão a preparar o repatriamento dos respetivos cidadãos ainda a bordo do Diamond Princess, onde se encontram pessoas de 50 nacionalidades, indicou a televisão pública japonesa NHK.

O coronavírus Covid-19 provocou mais de 1.700 mortos e infetou cerca de 70 mil pessoas a nível mundial.

A maioria dos casos ocorreu na China, onde a epidemia foi detetada no final do ano.

Além de 1.770 mortos na China continental, há a registar um morto na região chinesa de Hong Kong, um nas Filipinas, um no Japão e um em França.

As autoridades chinesas isolaram várias cidades da província de Hubei, no centro do país, para tentar controlar a epidemia, medida que abrange cerca de 60 milhões de pessoas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.