“A situação atual, com isolamento, medo, incerteza e crise económica, pode causar distúrbios psicológicos”, alertou a responsável do Departamento de Saúde Mental e Abuso de Substâncias da OMS, Dévora Kestel.

A OMS considera provável “um aumento a longo prazo do número e gravidade dos problemas de saúde mental”, devido ao “imenso sofrimento de centenas de milhões de pessoas” e aos custos económicos e sociais a longo prazo para a população.

Apesar dos riscos, as necessidades de saúde mental “não estão a receber a atenção necessária”, provavelmente devido à magnitude da crise, apontou aquele organismo.

A situação é agravada pelo facto de já haver falta de investimento e prevenção nessa área antes da chegada da pandemia.

Para a OMS, entre os grupos de maior risco estão “o pessoal de saúde, por causa da ansiedade e do stress que estão a viver, crianças e adolescentes, mulheres em risco de violência doméstica, idosos, devido ao risco de serem infetados, e pessoas com condições mentais pré-existentes ou com outras doenças, para quem é mais difícil continuar a receber tratamento”.

Embora a covid-19 seja um problema de saúde física, “o impacto na saúde mental é significativo e pode gerar maiores dificuldades se não for abordado adequadamente”, apontou a responsável.

Por essa razão, a OMS pede aos países que não negligenciem os serviços de apoio psicológico e garantam a sua disponibilidade como parte dos serviços essenciais durante a pandemia.

Segundo dados da organização, os sintomas de pânico e angústia aumentaram 35% na China, 60% no Irão e 40% nos Estados Unidos, três dos países mais afetados pela pandemia que já causou mais de 296 mil mortos no mundo.

Entre os profissionais de saúde, de acordo com um estudo do Canadá citado pela OMS, quase metade dos inquiridos (47%) declarou que precisava de apoio psicológico, enquanto na China 50% sofriam de depressão, 45% de ansiedade e 34% de insónia.

“Os números estão aí”, alertou a psicóloga argentina, recordando que, em locais de conflito, cerca de uma em cada cinco pessoas sofre de transtornos mentais, uma percentagem que poderá ser atingida por causa da pandemia, se não forem adotadas medidas para prestar apoio à população.

A OMS também alertou para o estigma sofrido pelos profissionais de saúde em alguns países, uma situação que os governos devem tentar resolver “com informações e comunicação e, também, honrando publicamente o trabalho que realizam”.

A organização recomenda ainda uma atenção particular às famílias com filhos em casa, e às dificuldades para gerir o peso da educação e dos cuidados permanentes, muitas vezes em simultâneo com o teletrabalho.

Para a OMS, as autoridades devem também procurar formas de explicar a pandemia às crianças e pessoas com dificuldades cognitivas e garantir que os idosos a viver em lares mantenham o contacto com as famílias e recebam as explicações necessárias.

A OMS está a acompanhar a evolução do número de suicídios e o aumento do uso de substâncias ilícitas em vários países, recordando que durante a crise económica de 2008 estes foram dois indicadores que se agravaram, e alertando que é possível “o mesmo acontecer nos próximos meses”.

PTA // JMC

Lusa/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.