"Gostaria de felicitar calorosamente o Presidente da República, Filipe Nyusi, e o coordenador da Comissão Política da Renamo, Ossufo Momade, por terem chegado a um acordo sobre a questão dos assuntos militares", disse Mirko Manzoni, em comunicado distribuído hoje em Maputo.

Mirko Manzoni assinalou que a comunidade internacional está pronta para apoiar ambas as partes e todos os moçambicanos visando a instauração de uma paz duradoura.

"Tem havido progressos notáveis no processo de paz e os moçambicanos devem estar orgulhosos", lê-se na nota de imprensa.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou na segunda-feira a assinatura de um memorando de entendimento entre o Governo e a Renamo sobre a desmilitarização e a integração das forças do principal partido de oposição.

"O memorando indica de forma clara o roteiro sobre os assuntos militares, os passos subsequentes e determinantes para o alcance de uma paz efetiva e duradoura no que tange ao desarmamento, desmobilização e integração do braço armado da Renamo", anunciou Filipe Nyusi, numa declaração à nação na Presidência da República.

O Presidente moçambicano disse ainda que dentro de dias serão anunciados os passos seguintes no processo, mas também sem avançar detalhes.

O atual processo negocial entre o Governo moçambicano e a Renamo arrancou há um ano, quando Filipe Nyusi se deslocou à Gorongosa, no centro de Moçambique, para uma reunião com o então líder da Renamo, Afonso Dhlakama, no dia 06 de agosto do ano passado, num encontro que ficou marcado por um aperto de mãos.

Além do desarmamento e integração dos homens do braço armado do maior partido de oposição nas forças armadas, a agenda negocial entre as duas partes envolvia também a descentralização do poder, ponto que já foi ultrapassado com uma revisão da Constituição em julho.