A kizomba já é do mundo todo, mas ontem foi de Angola, de onde veio o par vencedor do II Campeonato Internacional de Kizomba do ÁfricAdançar: Adilson e Bernardete, o casal que fez o público gritar por bis, no cinema São Jorge em Lisboa.

Chegar à final desta competição não foi fácil, garantem: “Em Angola a kizomba está no sangue, por isso tivemos adversários à altura”.
“Depois de termos ganho em Luanda, o meu pensamento foi: mais e mais prémios”, disse Adilson, orgulhoso, de troféu na mão enquanto Bernardete sorria ainda incrédula.

“Viemos mostrar a origem da kizomba genuína”, acrescentou Adilson. O campeão agradeceu a Mukano Charles a oportunidade de ter participado no concurso e o prémio ganho.

Mukano Charles, organizador do Campeonato Internacional de Kizomba em Angola, garantiu não ter sido fácil escolher o par mas promete não parar e trazer outro em 2010.

Público e júri foram unânimes: “Ganharam os melhores e não podiam ter ganho outros”. Durante a apresentação dos agora campeões, já o público gritava pela sua vitória e batia palmas sem parar.

Entre os elementos do júri, um convidado a salientar: Bonga. O Kota, que está em digressão com “Bairro”, o seu álbum mais recente, deu os parabéns à organização do evento por ter conseguido trazer tanta diversidade e “tão bom espectáculo”.

“Foi tudo muito bem conseguido, gostei muito do que vi e o prémio não podia ter sido para outro par, eles ganharam bem”, assegurou.

A andar pelo mundo fora, na digressão 2009 de Bonga não há nenhum concerto agendado para Portugal, podemos no entanto encontrá-lo em pequenos espectáculos, de solidariedade por exemplo, afiançou com a sua boa disposição natural.

A II edição do ÁfricAdançar – Congresso Internacional de Danças Africanas, mostrou mais uma vez a força da cultura africana e o quanto se está a fazer em prol da sua divulgação e valorização.

Angolanos, cabo-verdianos, portugueses, franceses, espanhóis e muitas outras nacionalidades pintaram o pano deste concurso. A diversidade é cada vez mais o mote de quem trabalha neste género de projectos.

Da parte da organização, João Costa Ribas, mostrou-se bastante satisfeito com o segundo ano do ÁfricAdançar: “Melhorámos muito em relação ao ano passado. Os erros cometidos em 2008 não voltaram a acontecer este ano e em termos de apoio houve maior envolvimento. A apontar como ponto menos positivo, o facto de o par que vinha de Cabo Verde não ter conseguido visto para viajar para Portugal, mas fizemos de tudo para que viessem, infelizmente não conseguimos”.

RTP, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Câmara Municipal de Lisboa, foram algumas das entidades oficiais que apoiaram este projecto.

As fotos aqui

Veja o casting em Luanda aqui