“Talvez eles tenham algo para adiantar na conversa com o Trump, que eu pedi para o Trump nos ajudar”, afirmou Bolsonaro a jornalistas nesta sexta-feira, 30, em Brasilia, em referência ao encontro entre o Presidente americano e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o senador e filho do Presidente, Eduardo Bolsonaro, apontado como Embaixador e Washington.

Depois de ontem ter classificado de “esmola oferecida pelo Macron” a ajuda de 20 milhões de dólares para a Amazónia anunciada pelo Presidente francês, Jair Bolsonaro disse que o Brasil está aberto a receber recursos de outros países, mas reiterou que a oferta de Macron de doar em nome do G7 “não é verdade”.

Bolsonaro também disse ter prevista uma conversa por telefone com a chanceler alemã, Angela Merkel, cujo país suspendeu o envio de recursos para o Fundo Amazónia diante do aumento no desmatamento no Brasil desde o final do ano passado.

“Hoje está previsto falar por telefone com Angela Merkel, ela começou com um tom, depois foi para a normalidade. Eu estou pronto para conversar com uns, excepto com nosso querido Macron, a não ser que ele se retrate sobre a nossa soberania na Amazónia, aí eu converso com ele”, afirmou o Presidente brasileiro.

Até agora, o Presidente francês não reagiu às declarações de Bolsonaro e Paris começou a enviar ajuda à Bolívia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.