Em conferência de imprensa, em Maputo, José Manteigas, porta-voz da Renamo, denunciou casos que estão a acontecer na zona centro do país.

“A Frelimo reactivou os esquadrões da morte. Depois de ter praticado a mais vergonhosa fraude eleitoral, está agora a voltar a um estratégia de crime que está a semear intranquilidade na zona centro do país”, disse Mantegas, apontando o dedo às Forças de Defesa e Sergurança (FDS) a quem acusou de deter ilegalmente de membros da Renamo e de tentativas de sequestro de muitos outros.

Os casos, de acordo com o porta-voz da Renamo, registaram-se nas províncias de Sofala, Manica, Zambézia e Tete, Centro do país, entre os dias 16 de Outubro e 11 de Novembro.

“O cenário que aqui apresentamos é simplesmente uma pequena amostra do que está a acontecer”, sublinhou Manteigas, garantindo que o Presidente da República, Filipe Nyusi,  “sabe o que está a acontecer no terreno”.

Frelimo reagem com “partido inconformado”

Em relação à violência na província de Cabo Delgado, o porta-voz da Renamo acusou o Governo de não  travar o “extermínio da população”.

A Frelimo já reagiu às acusações classificando-as de infundadas.

“São discursos sem fundamento de um partido inconformado com a derrota eleitoral e que procura, a todo custo, de argumentos para justificar às suas bases, a derrota”, disse Caifadine Manasse, porta-voz da Frelimo.

José Manteigas respondeu apenas a questões relacionadas com a denúncia que fez hoje, recusando tratar de outros assuntos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.