“Esta é uma caça às bruxas pós-eleitoral que tem como alvo qualquer pessoa que expresse opiniões críticas do Governo e que seja suspeito de se associar à Renamo, em Nampula “, refere a AI, em comunicado.

Nampula é a região onde a Renamo conquistou cinco dos oito municípios nas eleições de 10 de outubro, face a 44 para a Frelimo e um para o MDM.

A AI diz conhecer pelo menos oito casos de pessoas que foram alvo de telefonemas anónimos e mensagens de texto “acusando-os de contribuir para a derrota da Frelimo em Nacala-Porto e Nampula” e avisando-os para “terem cuidado” ou de que “têm os dias contados”.

Os alvos são jornalistas, padres e líderes da sociedade civil.

A organização pede às autoridades que investiguem os casos e responsabilizem os autores das ameaças.

O Instituto de Comunicação Social da África Austral (MISA, sigla em inglês), tem vindo a denunciar desde sexta-feira vários casos de ameaças e agressão a jornalistas durante a cobertura das quintas eleições autárquicas em Moçambique.

Também a plataforma de observação eleitoral Votar Moçambique, que junta sete organizações da sociedade civil do país, ‘chumbou’ hoje o processo eleitoral, durante uma avaliação apresentada em Maputo.

A plataforma Votar Moçambique constatou a existência de “vários casos de intimidação” sobre jornalistas, eleitores e candidatos da oposição que provocaram “claras situações de violência eleitoral”, referiu.