Fernández obteve 47,1% dos votos, seguido por Macri, com 32,5%, e Roberto Lavagna, com 8,4%, de acordo com os dados divulgados pelo ministro da Defesa argentino, Rogelio Frigerio, quando estão contados 80,4% dos votos.

“Tivemos uma má eleição e isso obriga-nos, a partir de amanhã [segunda-feira], a redobrar os nossos esforços para que, em outubro, recebamos o apoio necessário para continuar a mudança”, afirmou Mauricio Macri.

As mesas de voto fecharam às 18:00 (22:00 em Portugal), depois de terem estado abertas mais de dez horas para permitirem o voto de 33,8 milhões de eleitores para escolherem quais das dez equipas presidenciais, apresentadas pelas coligações políticas, ficarão habilitadas a concorrer ao escrutínio previsto para 27 de outubro próximo. A taxa de participação rondou os 75%.

Os resultados oficiais deverão ser anunciados a partir da próxima terça-feira.

Das dez listas de candidatos à Presidência, assim como para as listas de candidatos às legislativas – em outubro será renovada metade da Câmara de Deputados e um terço do Senado -, apenas terão acesso às eleições gerais as que receberem pelo menos 1,5% dos votos nestas primárias.

De acordo com as sondagens, em outubro, a escolha dos argentinos vai ser entre a reeleição de Macri ou o regresso da ex-Presidente Cristina Kirchner, agora como vice de Fernández.

O objetivo das denominadas Primárias Abertas, Simultâneas e Obrigatórias (PASO) era que os eleitores escolhessem diretamente os candidatos presentes no escrutínio presidencial de 27 de outubro. Na prática, todos os candidatos foram escolhidos pelos partidos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.