Aires Ali foi exonerado esta segunda-feira do cargo de Primeiro-Ministro. Em seu lugar, o Chefe de Estado nomeou Alberto Vaquina, até então governador de Tete. De acordo com o Canalmoz, foi Aires Ali quem pediu para deixar o Governo.

Há já meio ano que Aires Ali vinha a manifestar o seu descontentamento, avança o Canalmoz. Fontes afirmaram ao Canalmoz que o ex-primeiro ministro encontrava-se insatisfeito "com algumas coisas que estão a acontecer".

O jornal aponta a derrota do então PM na corrida por um assento na Comissão Política do partido Frelimo, o verdadeiro órgão que Governa o país, como parte dos acontecimentos que precipitaram a queda de Aires Ali, figura que era dada como candidato certo à sucessão de Guebuza na Presidência da República.

O ex-primeiro ministro chegou ao segundo posto mais alto na hierarquia do Governo, após ter cumprido 5 anos como ministro da Educação, nomeado por Guebuza.

A 18 de Janeiro de 2010, quando Aires Ali foi anunciado Primeiro Ministro do Governo que acabava de ser nomeado, a notícia surpreendeu muitos cidadãos e analistas, que então apostavam em nomes como Aiuba Cuereneia, José Pacheco, Oldemiro Baloi, para suceder Luísa Diogo, que tinha transitado do último Governo de Joaquim Chissano para o primeiro Governo de Guebuza como PM.

Aires Ali ficou sem terminar os cinco anos do mandato para o qual foi nomeado. Numa altura em faltavam dois anos para terminar o mandato, Ali pediu para sair do Governo.

Fontes próximas do ex-PM asseguraram ao Canalmoz que este andava descontente e que já pretendia deixar o cargo. As mesmas fontes referiram que Aires Ali permaneceu até à realização do congresso, visto que ele era o chefe da logística do grande evento do partido Frelimo e não queriam gerar instabilidade antes do congresso. Foi também mencionado que o ex-PM não pretende concorres a algum cargo internacional que entra em conflito com a figura do Primeiro-Ministro. Com a exoneração, que ele próprio pediu, volta a ser um militante da base.

Antes de chegar ao PM, Aires Ali já foi governador do Niassa, sua terra natal, e de Inhambane, para além do já mencionado, ministro da Educação.

Estratégia para protecção da imagem

Há quem defenda que Aires Ali abandonou o cargo de PM para evitar a exposição da sua imagem às críticas da imprensa e da sociedade. A exoneração seria uma forma de se resguardar para daqui há alguns anos concorrer à Presidência da República pelo partido Frelimo.

Recorde-se que Aires Ali perdeu a eleição para a comissão política do partido Frelimo, recentemente em Pemba e este era o assunto mais debatido na sociedade, entretanto ele continuava na comissão política como Primeiro-Ministro e tendo deixado o cargo, sai também da Comissão Política da Frelimo, o verdadeiro órgão que governa o País.

Aires Ali era apontado como o candidato à Presidência da República, pelo partido Frelimo, proposto por Armando Guebuza, quem o nomeou para PM. Há quem acredita que a sua saída de PM não acaba com esta possibilidade.

Para além da mudança de Aires Ali por Alberto Vaquina, Guebuza tirou 3 ministros do Governo, trocou um de uma pasta para outra, promoveu o vice-ministro da Educação para a parte principal do mesmo ministério e fez a mudança de quatro governadores provinciais.

@SAPO

Relacionados:

+ Primeiro-ministro Aires Ali abandona cargo

+ Imprensa moçambicana considera que Aires Ali mantém intactas hipóteses de chegar a Presidente

+ Lista completa do Governo de Moçambique e governadores provinciais após remodelação