"As alegações [da Justiça] referem-se a esses três empréstimos", disse o advogado sul-africano à agência de informação financeira Bloomberg, confirmando também que Manuel Chang vai opor-se ao pedido de extradição feito pelas autoridades norte-americanas e defender a saída sob fiança na audição em tribunal, na segunda-feira.

Em causa está o aval do Estado a empréstimos de três empresas públicas durante os anos em que Manuel Chang esteve à frente das Finanças, entre fevereiro de 2005 e dezembro de 2014, dois anos antes de os empréstimos à Ematum, ProIndicus e Mozambique Asset Management terem sido divulgados pelo Wall Street Journal.

Na conversa com a Bloomberg, o advogado sul-africano Rudi Krause explicou que o seu cliente foi detido no Aeroporto Internacional de Joanesburgo, em trânsito de Maputo para o Dubai, depois de o seu avião ter tido autorização para aterrar.

As autoridades sul-africanas disseram-lhe para passar a imigração quando o seu avião aterrou, o que não é normal quando os passageiros estão em trânsito, e Chang foi detido depois de ter passado a imigração, explicou o advogado, considerando que "as circunstâncias da sua prisão são preocupantes, se não alarmantes".

Os agentes "garantiram a sua entrada na África do Sul recorrendo a um engodo", concluiu o advogado.

Manuel Chang foi ministro das Finanças de Moçambique durante o Governo do Presidente Armando Guebuza, entre fevereiro de 2005 e dezembro de 2014.

Então com o pelouro das Finanças, foi Manuel Chang que avalizou dívidas de mais de 2.000 milhões de dólares (1.760 milhões de euros) secretamente contraídas a favor da Ematum, da Proindicus e da MAM, empresas públicas ligadas à segurança marítima e pescas, entre 2013 e 2014.

A mobilização dos empréstimos foi organizada pelos bancos Credit Suisse e VTB.

Uma auditoria internacional deu conta da falta de justificativos de mais de 500 milhões de dólares (440 milhões de euros) dos referidos empréstimos, sobrefaturação no fornecimento de bens e inviabilidade financeira das empresas beneficiárias do dinheiro.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.