Página gerada às 01:09h, domingo 22 de Dezembro

Muçulmanos festejaram "IDE UL FITR" no país

19 de Agosto de 2012, 23:40

Renovar a amizade, partilhar as alegrias, regozijar e congratular o jejum e acima de tudo lembrar os pobres. É desta forma que milhares de muçulmanos de todo o mundo festejaram, neste domingo, dia 19, o fim do Ramadan.

Durante um mês todos os muçulmanos crentes – com excepção dos doentes, grávidas, mães lactantes e mulheres no período menstrual - jejuaram a Alá. O dia era passado em orações e jejum.

Foi o caso de Sidik Gulamo, trabalhador e estudante, que desde os seus 7 anos cumpre com o mês de jejum.

“Fazia as orações todos os dias, em casa, no trabalho ou na mesquita e não saia à noite. Durante o jejum não podia ter conversas “insultuosas” para não pecar. Procurava sempre cumprir o máximo que podia, apesar de não ir sempre a mesquita”, contou Sidik.

Azumir, empresário, a semelhança de Sidik  também sempre cumpriu com o Ramadan e não houve um dia que não fosse à mesquita, especialmente a hora do almoço para as orações.

Antes do “IDE” todos os crentes com mais condições, doaram algum valor monetário ou deram cereais aos pobres, para que todos aqueles que não têm nada, tivessem a possibilidade de passar o “IDE” da melhor forma possível.

Em Moçambique, a festa de "IDE" começou bem cedo. A maioria dos muçulmanos reservou a manhã para ir à mesquita para a oração de agradecimento, o "Namaz de IDE". Depois da mesquita, como é costume, alguns seguiram para o cemitério para visitar as campas dos familiares, enquanto que, outros aproveitaram o dia para visitar os amigos e familiares e desejar-lhes um feliz "IDE".

A cerimónia só termina depois do jantar, com uma grande festa recheada de pratos típicos, tais como o caril de carne, cabrito, briani, kiri, chamuças, badjias, gatias, etc.

Mas para quem segue a religião, o mês do Ramadão também foi um mês em que não houve saídas nocturnas, visto não serem adequados para o momento de purificação. Atendendo a isto, os organizadores de eventos "fecharam" as suas agendas de espectáculos em respeito a tradição muçulmana, uma vez que existem no país uma grande comunidade de muçulmanos.

Após o mês do Ramadan todos os muçulmanos são convidados a fazer um balanço de tudo o que alcançou, bem como de tudo o que perdeu – incluindo os estabelecimentos comerciais e assim, adoptar uma postura melhor nos próximos tempos.

De referir que os muçulmanos seguem um calendário lunar, baseado na visualização da lua. O mês começa quando o Crescente Lunar aparece pela primeira vez após o pôr-do-sol. Ao todo são 12 meses, entre 29 a 30 dias por mês, que dependem do nascimento da lua.

Em Moçambique, estima-se que 45% das população é muçulmana.

 

@SAPO


Comentários

Critério de publicação de comentários