Página gerada às 18:31h, quarta-feira 18 de Outubro

UE: "Reunião de Presidente da República e líder da Renamo é "passo importante" para a paz

07 de Agosto de 2017, 14:38

 A União Europeia (UE) afirmou hoje que o encontro no domingo entre o Presidente moçambicano e o líder da Renamo, na Gorongosa, foi mais um passo importante na construção da confiança entre as partes, segundo um comunicado da instituição.



“O encontro de ontem [domingo] entre o Presidente Filipe Nyusi e o líder da Renamo Afonso Dhlakama na Gorongosa constituiu mais um passo importante na edificação de uma confiança mútua”, lê-se na nota dos chefes de missão da UE em Moçambique.


De acordo com o comunicado, “a UE congratula os líderes e encoraja ambas as partes a trabalharem com vista a um acordo até ao final do ano de forma que as eleições de 2018 e 2019 possam ter lugar num clima de confiança e paz”.


“A UE continua disponível para apoiar o povo moçambicano e o processo de paz”, indicou ainda o documento da UE.


O Presidente da República de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, reuniram-se no domingo na Gorongosa, província de Sofala, para debater e acordarem sobre os próximos passos no processo da paz, que esperam que seja concluído até finais do ano.


Moçambique assiste, desde maio, a uma trégua por tempo indeterminado, na sequência de contactos, em dezembro, entre o Presidente moçambicano e o líder da Renamo.


Paralelamente a esta trégua, o Governo e a Renamo estão em negociações em torno da descentralização do Estado, despartidarização das forças de defesa e o desarmamento do braço militar do principal partido da oposição em Moçambique.


Entre 2015 e dezembro do ano passado, o país voltou a ser palco de confrontos na sequência da recusa do principal partido da oposição em aceitar a derrota nas eleições gerais de 2014, acusando o partido no poder [a Frelimo] de fraude no escrutínio.


A vaga de violência incluiu ataques a alvos civis que o Governo atribuiu à Renamo e assassínios de membros dos dois partidos.


Lusa


Comentários

Critério de publicação de comentários