Página gerada às 21:02h, sabado 24 de Junho

PARA BREVE PAZ EFECTIVA EM MOÇAMBIQUE: DHLAKAMA

19-04-2017 19:15:17


Manica (Moçambique) 19 Abr (AIM) - Afonso Dhlakama, líder da Renamo, o maior partido da oposição em Moçambique, anunciou hoje que as hostilidades militares caminham para o fim, asseverando que, está para breve uma paz efectiva em todo o país.

Dhlakama fez estas declarações em teleconferência havida com jornalistas residentes na cidade de Chimoio, capital da província central de Manica, durante a qual manifestou a sua satisfação com o curso das negociações que tem vindo a estabelecer com o Presidente da República, Filipe Nyusi, com vista a trazer uma paz duradoura para o país.

“Tenho mantido contactos com o meu irmão Filipe Nyusi para ver se encontramos uma saída para a paz efectiva porque não queremos ver mais sangue a derramar em Moçambique”, disse Dhlakama.

O líder da Renamo referiu que os moçambicanos devem circular livremente e desenvolver as suas actividades sem recear pela morte ou pelo risco de perder seus bens.

“A guerra está no fim. Voltaremos a abraçar nossas famílias, a circular pelas estradas, visitar nossos familiares e trabalhar para produzir. Isso é que nós desejamos”, disse Afonso Dhlakama, dirigindo-se a jornalistas numa sala onde também estiveram de membros do seu partido.

Sobre a trégua de 60 dias que termina no próximo dia 5 de Maio, Dhlakama, afirmou que se depender de si e se a Frelimo cumprir com tudo o que está a ser colocado na mesa das negociações, a mesma poder ser alargada indefinidamente.

Actualmente, segundo Dhlakama, estão em curso discussões sobre as modalidades para o alargamento da suspensão temporária de ataques para permitir a circulação livre de todos os cidadãos em Moçambique.

“Estou a estudar como é que será alargada a trégua sem prazos, mas tudo depende da própria Frelimo (Governo) obedecer o que estamos a acordar nas negociações. Se isso for cumprido darei trégua sem limite”, frisou Dhlakama.

Sem avançar detalhes sobre o teor dos contactos mantidos nos últimos tempos com o Presidente da República, o líder da Renamo assegurou que visam a reconciliação entre os moçambicanos.

“Muitos pensam que há acordos secretos que estão ser estabelecidos entre mim e o meu irmão Filipe Nyusi, mas não há nada disso. Os moçambicanos irão saber brevemente as modalidades dessa mesma negociação. Tudo será divulgado para o conhecimento do povo”, disse.

Questionado sobre a sua participação e do seu partido nas eleições autárquicas de 2018 e gerais de 2019, o líder da Renamo respondeu que a pretensão é concorrer em todos os pleitos com os olhos postos na vitória.

“Vamos concorrer e prometemos ganhar porque o povo está connosco. Queremos governar democraticamente este país. Esse é o nosso principal objectivo. Não guardamos mágoas para ninguém. Mesmo com a Frelimo não guardamos nenhuma vingança porque este é momento de reconciliação”, disse.

Dhlakama afirmou ainda que a sua aparição para actividade política depende do curso das negociações e garantias de segurança para si e para os membros do seu partido.

“Se garantirem a minha segurança mesmo hoje posso sair e fazer política pública. Caso contrário continuarei aqui nas matas de Gorongosa para onde me refugiei e me encontro bem de saúde”, disse.

Refira-se que já passam cerca de 18 meses desde a última aparição pública de Dhlakama.
(AIM)
Nestor Magado (colaboração)

(AIM)

Comentários

Critério de publicação de comentários