Página gerada às 07:43h, terça-feira 17 de Outubro

SETE MOÇAMBICANOS DETIDOS POR CAÇA FURTIVA NO ZIMBABWE

11-01-2017 17:16:52


Harare, 11 Jan (AIM) – Um total de sete moçambicanos está sob custódia das autoridades do Zimbabwe, indiciados do crime de caça furtiva, depois que a polícia e os fiscais da Autoridade Nacional de Gestão de Parques e Fauna Bravia (Zimparks) desencadearam uma operação conjunta que culminou com as detenções.

Para além dos 443 caçadores furtivos de diversas nacionalidades (zimbabweanos, zambianos e sul-africanos) detidos na sequência da operação, a porta-voz da Zimparks, Caroline Moyo, disse que outras 57 pessoas foram condenadas a penas de prisão só em 2016.

“Em 2016, assistimos ao aumento do número de casos de caça furtiva que foram concluídos e resultaram num cumulativo de 513 anos de prisão distribuídos por 57 pessoas condenadas”, disse Moyo, através de uma declaração emitida terça-feira.

Segundo a fonte, 211 casos foram investigados no decurso do ano transacto, tendo 116 sido concluídos.

“Um total de 443 pessoas foi preso num universo de 211 casos reportados. A maioria dos culpados é zimbabweana, 31 zambianos, sete moçambicanos e apenas um sul-africano”, ressaltou Moyo.

As autoridades zimbabweanas disseram ter conseguido recuperar, na sequência das detenções, parte substancial dos bens conseguidos por via da caça furtiva, com particular realce para 76 pontas de marfim, 179 peças diversas de marfim, 36 pangolins ainda vivos, oito trofeus do mamífero e 22 armas de fogo.

A Zimparks manifestou-se preocupada com a tendência crescente de internacionalização do fenómeno, onde sindicatos da caça furtiva de outros países aparecem a operar em parceria com os locais, em particular os residentes de locais próximos das áreas de conservação.

“Os caçadores furtivos de Moçambique operam no Parque Nacional de Gonarezhou e no Save Valley Conservancy onde abatem elefantes. Ficou claro que a maioria dos casos de caça furtiva ocorridos no interior é perpetrada por membros dos sindicatos de grupos diferentes, que são contratados para formar quadrilhas maiores e organizadas”, disse Moyo.

Segundo Moyo, a introdução de estratégias modernas de combate a caça furtiva, como o uso de drones e cães de faro vai contribuir para o combate a caça furtiva e o comércio de espécies da fauna bravia nas áreas de conservação assim como nas fronteiras do país.
(AIM)
BUSINESSDAY/LE/DT

(AIM)

Comentários

Critério de publicação de comentários